Transparência

Prefeitura apoia artesã Akeline dos Santos em feira do PAB, em Brasília

Prefeitura apoia artesã Akeline dos Santos em feira do PAB, em Brasília

 

 

Feira tem como objetivo reunir artesãos de todo o país, proporcionando um espaço de exposição e comercialização

 

A artesã Akeline dos Santos, de Porto de Pedras, filha de uma das pioneiras na arte de tecer com o talo do coqueiro de Porto de Pedras, Maria da Palha, representa o município no 17° Salão do Artesanato, que acontece em Brasília até o dia 12, no Pátio Brasil Shopping. Ela integra, após seleção em edital do programa “Alagoas Feita à Mão”, coordenado pela Secretaria de Estado de Relações Federativas e Internacionais (Serfi), e teve apoio do prefeito Henrique Vilela que aposta na valorização do artesanato como um dos vetores do turismo da cidade.

Peças decorativas e utilitárias como lustres e caixas produzidas também com palha de palmeiras Ouricuri e Dendê são exclusivas da cidade. Ela aprendeu toda a técnica com a mãe que usava tear para fazer esteiras de Periperi e diz que a família sempre viveu do artesanato. “Esse material é como um diamante bruto, que precisa ser lapidado para virar arte”, diz.

O evento é o primeiro deste ano apoiado pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB). A participação ganha ainda mais significado por acontecer durante uma das datas comemorativas mais importantes do ano, o Dia das Mães, responsável pelo maior volume de vendas do comércio. Reúne artesãos de todo o país, proporcionando um espaço de exposição e comercialização. O evento promove ainda rodadas de negócios com aproximadamente 50 lojistas nacionais e 5 internacionais, buscando ampliar o mercado para o artesanato brasileiro e promover a capacidade empreendedora dos artesãos.

O secretário de Relações Federativas, Hugo Leahy, ressaltou que a divulgação do artesanato alagoano é um atrativo significativo para investimentos, pois representa a autenticidade e o talento únicos de nossa região. “Estamos comprometidos em promover e fortalecer esse setor, contribuindo para o desenvolvimento e a valorização de nossa cultura”, disse.

O Programa do Artesanato Brasileiro (PAB) foi criado pelo Decreto de 21 de março de 1991. Originalmente vinculado ao Ministério da Ação Social, o PAB tem o objetivo de coordenar e desenvolver atividades que visem a valorizar o artesão brasileiro, elevando o seu nível cultural, profissional, social e econômico, além de desenvolver e promover o artesanato e a empresa artesanal.

As ações do Programa possibilitam a consolidação do artesanato brasileiro enquanto setor econômico de forte impacto no desenvolvimento das comunidades, a partir da consideração de que a atividade é disseminada em todo território nacional, possuindo variações e características peculiares conforme o ambiente e a cultura regional.